Eu Sem Fronteiras

Escrito por Eu Sem Fronteiras

A depressão, apesar de muitas vezes não ser considerada como tal, é uma doença, e atinge milhares de pessoas ao redor do mundo. As causas do desenvolvimento de quadro depressivo são diversas e muito dependentes de fatores que nem imaginamos. Podem estar associadas ao clima, ao ambiente, às companhias, à alimentação e a outras variáveis.

Muitos indivíduos nem mesmo a percebem ou a admitem, mas a depressão exige sim atenção e tratamento, pois pode desencadear outras doenças e/ou quadros irreversíveis, afetando a vida de quem sofre com ela e de todos aqueles que cercam esta pessoa.

Causas comuns

Na rotina em que vivemos, muitos fatores influenciam para que o desânimo e a decepção estejam presentes em nosso dia a dia. Se não nos atentarmos para desenvolver autoconfiança e fortalecer nossas habilidade, a fim de nos esquivar de certas situações, caímos na tristeza e entregamos os pontos.

Ao contrário do que se imagina, normalmente, a depressão não necessita de grandes traumas ou eventos para acontecer. Ela pode se desenvolver a partir de pequenos fatores e, principalmente, da junção de vários deles. Ela pode ainda estar relacionada a fatores genéticos e falhas nos neurotransmissores cerebrais, provenientes de inflamações em certas regiões do cérebro.

Conheça alguns dos fatores que podem contribuir para a evolução do quadro:

1. Cigarro

Apesar de parecer proporcionar relaxamento, estudos britânicos comprovaram que o cigarro tende a deixar os fumantes mais ansiosos e levá-los até mesmo à depressão, devido à abstinência.

2. Compaixão em exagero

Isso mesmo, pessoas preocupadas demais com os outros podem esquecer de cuidar de si mesmas. Neste quadro, a autoconfiança e autoconhecimento vão lá em baixo e a pessoa passa a não querer cuidar de si e colocar o interesse alheio sempre em frente ao seu. É importante se preocupar com os outros, mas, antes de tudo, você deve estar bem consigo mesmo.

3. Outras doenças

Outras doenças podem ser tanto causa como consequência da depressão. Indivíduos que sofrem de doenças crônicas tendem ao quadro depressivo pela dificuldade de tratamento, queda da autoestima e outros efeitos que tais doenças possam trazer à vida e rotina.

É comum observar casos de depressão entre indivíduos com câncer, diabetes e aqueles que sofrem de dores crônicas.

4. Sedentarismo

Além de todos os males que o sedentarismo pode trazer, ele pode também impulsionar a depressão. O nosso corpo precisa de movimento para funcionar bem, para ter bom humor e saúde, tanto física quanto mental.

A prática de qualquer atividade física que te tire do sofá já é válida, e proporciona bem-estar para ficar longe do desânimo e da depressão.

5. Alimentação

Assim como a atividade física, a alimentação influencia em todas as atividades de seu corpo, afinal, é nosso combustível.

Uma pessoa que se alimenta mal, fica períodos muito longos sem comer ou não tem a quantidade de nutrientes suficientes para suprir seu corpo, passa a ter problemas físicos e mentais. O humor é alterado e a disposição também, o que são características propensas para um início de depressão.

Para as pessoas que já sofrem de depressão, a alimentação também fica alterada, para um dos dois polos: excesso ou falta de apetite. Ela é, portanto, importante não só na prevenção, como no tratamento da depressão.

6. Disfunção cerebral

Como já foi dito, a depressão é uma doença que pode ser causada por alguma falha na organização e trabalho dos neurotransmissores. Isso se deve a inflamações cerebrais, que podem ser ocasionadas por outros tipos de doença e/ou lesões. A inflamação é uma reação natural do corpo, como alerta para outros problemas no organismo. Sendo assim, é importante cuidar do corpo todo, para que tal resposta não seja desencadeada.

7. Noites mal dormidas

Não é novidade que a falta de sono nos deixa de mau humor. Para aqueles que passam longas temporadas sem dormir sequer uma noite inteira, o mau humor e outras consequências, como dores no corpo, se tornam crônicos e são porta de entrada para a depressão.

8. Selva de pedras

A vivência com o ambiente urbano é capaz de deixar qualquer um louco e também depressivo! A correria das grandes cidades, além da falta de contato com a natureza, são fatores que contribuem para sintomas negativos em seu humor e comportamento.

É importante ter refúgios e momentos de calma, a fim de bloquear tais interferências.

9. Pressões sociais e digitais

As pressões sociais provenientes dos padrões impostos, seja em relação à aparência, ao modo de vida, às aquisições ou a outros fatores, traz cobranças excessivas e comparações inconscientes. Nunca estamos satisfeitos com nós mesmos e vivemos correndo atrás de uma cogitada perfeição.

No mesmo caminho, a internet e a mídia em geral nos cobra sem nem mesmo percebermos, fazendo com que a autoestima e autoconfiança estejam sempre decadentes.

Outros desencadeamentos

Ela pode ocorrer em vários níveis, pode passar “desapercebida” ou ser intensa e explícita. Cada um reage de maneira diferente ao quadro depressivo, alguns tem tendência a se render, outros a resistir e essa resposta está associada, também, às causas que levaram o indivíduo a viver tal situação.

O diagnóstico de depressão está entre os mais elevados dentre diversas doenças, principalmente no Brasil, em suas regiões metropolitanas.

As consequências de um quadro depressivo são diversas e podem afetar muito a vida social e profissional do doente.

A pessoa que está com depressão costuma se afastar do trabalho por falta de vontade ou até mesmo impossibilidade de realizar as tarefas de que é encarregado. Na vida pessoal, também afasta-se das pessoas com quem costumava conviver e deixa de realizar atividades simples.

Cuidados

Assim como qualquer outra doença, a depressão necessita de tratamento. Sendo suas causas multifatoriais, o seu tratamento deve levar a mesma linha.

Profissionais de psiquiatria afirmam que os cuidados para a cura de um quadro depressivo devem abordar os mais diversos fatores motivadores da doença. Ou seja, quanto mais pontos da vida do indivíduo depressivo forem tratados, mais efetiva será sua melhora. Isso refere-se ao âmbito biológico, com tratamento psiquiátrico e, se necessário, tratamento químico por parte de um médico neurologista, até o âmbito da rotina profissional e pessoal. Esta pessoa deverá ter o apoio de seus amigos e familiares, para que traumas e medos possam ser eliminados e para que as atividades da rotina voltem a ser normais, e não um fardo.

Aos poucos, a junção destes cuidados permitirá que a pessoa com depressão passe a ter melhor percepção de coisas que podem lhe fazer bem, mesmo dentro de seu dia a dia “normal”. Assim, construirá motivação própria para continuar e curar-se. Quanto mais inserido na rotina comum, sem gerar problemas ou motivos de tristeza em volta do que antes era normal, melhor será a recuperação do paciente.

É imprescindível ter automotivação, assim como apoio externo. A recuperação é delicada, entretanto, desenvolve-se muito bem, quando sustentada e planejada.


  • Escrito por Julia Zayas da Equipe Eu Sem Fronteiras.